Arquivos da tag: acupuntura em animais

YouTube – Canal Flor de Lótus Acupuntura

5 junho 2013 às 18:07

Na Flor de Lótus Acupuntura os animais também viram celebridades. Além das fotos que tiramos de alguns, também gravamos vídeos! Entrem no nosso canal do YOUTUBE e vejam nossos queridos pacientes e suas recuperações, além de dicas e muito mais!

http://www.youtube.com/user/flordelotusvet

Visite o nosso site
Visite o nosso Facebook


As raças mais inteligentes do mundo!

2 maio 2013 às 17:51

Existem muitas raças de cachorros, e cada uma tem suas características, tanto físicas quanto orgânicas. A inteligência do cão faz parte dessas características de acordo com cada raça. Conforme o autor do livro “A inteligência dos cachorros”, existem três tipos de inteligência canina, a adaptativa, que é a capacidade de resolver problemas e aprender, a instintiva e a de trabalho, que é a obediência.

A primeira inteligência é individual e específica para cada cachorro.

Conheça as 10 raças que obedecem a um determinado comando com apenas 5 repetições, ou, em 95% dos casos, na primeira apresentação do comando:

1º Lugar - Border Collie;

2º Lugar – Poodle;
3º Lugar - Pastor Alemão;
4º Lugar - Golden Retriever;
5º Lugar – Doberman;

6º Lugar – Shetland;
7º Lugar - Labrador Retriever;
8º Lugar – Papillon;

9º Lugar - Rottweiler;
10º Lugar - Australian Cattle Dog.

Visite o nosso site
Visite o nosso Facebook


Os sentidos sensoriais dos cachorros

17 abril 2013 às 16:58

Na vida humana existem 5 sentidos sensoriais, são eles: visão, audição, paladar, olfato e tato. Utilizamos esses sentidos para ver, ouvir, apreciar tipos de sabores diferentes, cheirar e sentir estímulos quando tocamos em alguma coisa. Os cachorros também possuem esses sentidos, mas possuem limites e diferenças quando comparados aos humanos.

Entender esses fatores para o convívio com o seu pet é muito importante!

Olfato

O olfato é o sentido mais importante para os cachorros, e é conhecido por ser cem mil vezes mais poderoso que o olfato dos humanos. Os cães utilizam o olfato para a comunicação, para reconhecer marcações territoriais e detectar amigos ou inimigos.

Audição

Esse sentido nos cães é altamente desenvolvido. Eles possuem orelhas que capturam sons vindos de todas as direções e podem usar somente uma orelha para ouvir a origem do som e depois a outra para captar novas e mais ondas sonoras.

Visão

A visão dos cachorros é parecida com a dos humanos, mas é um pouco inferior. Os cães enxergam cores e visualizam formas estáticas, mas as imagens que eles captam não possuem tantos detalhes.

Tato

O tato é o primeiro sentido desenvolvido pelos cachorros. Assim como os humanos eles possuem receptores tatéis por todo o corpo.

Paladar

Esse sentido está relacionado, para os cachorros, com o olfato. O paladar dos cães é menos desenvolvido que dos humanos, mesmo assim eles conseguem saborear o doce, o amargo e o ácido.

Visite o nosso site
Visite o nosso Facebook


A queda de pelos: problema ou não?!

12 abril 2013 às 19:58

 

Pluto Antes (fonte da imagem: arquivo pessoal)

Pluto Depois (fonte da imagem: arquivo pessoal)

Uma questão constantemente levantada em nossos consultórios é a fatídica queda de pelo dos animais. Hoje vamos ajudar a sanar algumas dúvidas e auxiliar os proprietários a manterem os seus lares menos “peludos”.

A queda de pelos de um cão ou gato pode ser sazonal, ocorrendo sempre no início das estações mais frias ou mais quentes (ou seja, no início do outono e no início da primavera). Mas existem raças que apresentam mais queda de pelos do que outras e isso é devido, na maioria das vezes, ao caráter genético de origem da raça e seus cruzamentos.

A queda de pelo saudável é aquela que não deixa espaços aparentes na pele, ou seja, que mantém a cobertura pilosa normal. Essa troca de pelo pode ocorrer no dia-a-dia para a renovação do pelame, ou pode ocorrer de maneira sazonal para a troca de um pelo mais curto por outro mais longo, e vice-versa.

Os gatos podem também apresentar, nas fêmeas, um outro tipo de queda de pelos que não deixa de ser notada. As gatas prenhes quando estão próximas ao parto podem perder pelos de seu corpo, e essa queda acentuada de pelos pode durar todo o período de amamentação.

Alterações como: caspas, feridas, pontinhos amarelos, prurido intenso, áreas com falta de pelo (alopecias), secreções ou odores na pele, podem ser indícios de problema de saúde. A questão de saúde em si pode estar diretamente relacionada a pele ou ao organismo como um todo.

Algumas deficiências vitamínicas ou minerais podem levar ao enfraquecimento da defesa da pele ou o enfraquecimento da formação pilosa … e algumas doenças (endócrinas, por exemplo) podem ser a base para o aparecimento dessas deficiências.

Alimentos naturais com alta concentração de ferro, cobre, zinco e manganês podem ajudar na suplementação e os óleos com ômega 3, 6 e 9 também entram com força nessa briga.

Outros fatores causadores de problemas de pele nos animais e no aumento da queda pilosa são os ectoparasitas e as alergias. Os parasitas de pele nem sempre são visíveis e em sua maioria só são percebidos quando já estão causando o estrago, como é o caso dos ácaros causadores das famosas sarnas! O cuidado intenso com a presença de carrapatos e pulgas é muito importante do ponto de vista estético e epidemiológico também, já que pode ocorrer a transmissão de doenças (inclusive para o ser humano!).

O banho pode, em alguns casos, ser o vilão do problema de pele!

A constante retirada da camada oleosa da pele pelos shampoos e sabonetes utilizados, assim como a queimadura da camada superficial da pele pela água quente e secador, podem ocasionar sérias questões alérgicas ou retirar a proteção superficial, deixando-a vulnerável ao crescimento descontrolado da própria flora de bactérias e fungos.

 

Uma ótima semana a todos!

Referências:

http://www.natural-dog-health-remedies.com/hair-loss-in-dogs.html

http://www.revistapulodogato.com.br/pulodogato/materia_queda_de_pelo_em_felinos.php

http://www.ehow.com/way_5305366_canine-hair-loss-treatments.html

http://veterinarynews.dvm360.com/dvm/article/articleDetail.jsp?id=53802

 


Como escolher o seu futuro melhor amigo? Raças: Poodle Toy

13 março 2013 às 19:25

Fonte da Imagem: Arquivo pessoal

O poodle é um cão quadrado em proporções, com porte orgulhoso e aparência elegante. Ele deve se mover de maneira leve e sem esforço. O poodle foi criado para o trabalho de retriever, e sua conformação deve refletir seu porte atlético. A pelagem é encaracolada, dura e densa. Os pelames tradicionais derivam da função do seu revestimento, da proteção e isolamento das articulações do cão, e do seu peito.

O poodle é uma das raças mais brilhantes e de mais fácil treinamento. É alerta, ágil, brincalhão, alegre, sensível e ansioso para agradar. Ele é dedicado à sua família, mas alguns podem ser reservados com estranhos, e outros podem latir muito.

Sobre a raça:

FAMÍLIA – cão d’água, cão companheiro

ÁREA DE ORIGEM – Europa Central

DATA DE ORIGEM – 1500

FUNÇÃO ORIGINAL – retriever, caça

FUNÇÃO HOJE – companhia

Tamanho médio de MACHO – Altura: <20 cm Peso: 3-8kg

Tamanho médio de FEMEA – Altura: <20cm Peso: 3-8kg

Nível de Energia – Alto

Necesside de Exercício – Baixo

Atividade – Brincalhão

Nível de carinho  – Afetuoso

Simpatia para cães – Amigável

Simpatia para outros animais- Amigável

Simpatia para estranhos – Muito amigável

Facilidade de treinamento – Fácil

Habilidade – Cão muito observador

Habilidade de Proteção – Não muito protetor

Tolerância ao frio – Baixa

Tolerância ao calor – Média

Poodles precisam de muita interação com as pessoas. Eles também precisam de exercício físico e mental. Essas necessidades de exercício podem ser atendidas com uma pequena caminhada ou até mesmo jogos de interior. Não é uma raça que deve viver sempre fora, apesar de gostar de acesso a um quintal. Sua pelagem deve ser escovada todos os dias, pois o pelo do poodle quando solto não cai, ficando preso nos pelos circundante, o que pode causar nós se não forem removidos. A tosa deve ser feita pelo menos quatro vezes por ano, com o rosto e os pés cortados mensalmente.

Embora a maioria dos poodles seja profissionalmente cuidada, os proprietários devem aprender a escovar o seu próprio cão.

Principais doenças:

• Preocupações principais: Atrofia progressiva de retina, luxação de patela, displasia coxofemoral, epilepsia;

• Preocupações menores: Triquíase, entrópio, atresia de ducto lacrimal, catarata;

• Ocasionalmente visto: Urolitíase, degeneração do disco intervertebral;

• Testes sugeridos: Olho e radiografias de joelho e quadril;

• Tempo de vida: 12 – 14 anos.

Embora o poodle seja mais frequentemente identificado como originado na França, seus primeiros antepassados ​​eram provavelmente cães da Ásia central, encaracolados e revestidos de pelos, que auxiliavam no pastoreio, seguindo muitos caminhos em várias partes da Europa.

Talvez a mais antiga encarnação do poodle tenha sido o Barbet, um cão de pelo encaracolado, distribuído na França, Rússia, Hungria e outros países. É a versão alemã, no entanto, que exerceu a maior influência sobre o poodle de hoje.

Na verdade, a palavra poodle vem do pfudel, palavra alemã que significa “poça” ou “espirrar”, provavelmente refletindo as habilidades do cão de água. Na França, ele era conhecido como caniche ou canard chien, ambos referindo-se a suas habilidades de caça aos patos.

Assim, a partir do pastoreio e de caças na água o poodle se tornou um companheiro de caça talentoso. O poodle também foi utilizado em serviços como: cão militar, cão guia, cão de guarda, puxador de carroça para os artistas e, eventualmente, como artista de circo.

Sua pelagem era curta perto da barriga para facilitar a natação, mas deixava-se um pouco mais sobre o peito para aquece-lo na água fria. Embora alguns acreditem que os pedaços de pelo em torno das articulações do pé e ponta da cauda sejam para a proteção, a evidência mais convincente sugere que surgiram como decoração mesmo.

O poodle passou a ser um companheiro elegante para senhoras elegantes. Tornou-se favorecido pela aristocracia francesa e o cão nacional da França. Sua tosa característica acentuou-se, e um bem-sucedido esforço foi feito para aperfeiçoar os espécimes menores. O Poodle entrou no “ring show” no final de 1800.

A popularidade do poodle na América diminuiu de modo que no final de 1920, com os poodles quase desapareceram na América do Norte. Na década de 1930, no entanto, a raça encenou um retorno que, eventualmente, o colocou como o cão de todos os tempos mais popular na América.

 

Fonte do texto: http://animal.discovery.com/breed-selector/dog-breeds/toy/poodle-toy.html

Tradução: Carolinne Torres

 


Como escolher o seu futuro melhor amigo? Raças: Golden Retriever

6 março 2013 às 19:59

O golden retriever é um cão atlético e forte, capaz de transportar itens pesados por terra e água. Para isso, ele precisa de uma cabeça larga, uma poderosa mandibular, um pescoço forte e bem desenvolvidas partes dianteiras e traseira. É apenas um pouco mais longo do que alto. A marcha é suave, poderosa e com boa cobertura de solo. A pelagem é repelente de água e densa, com o revestimento exterior liso ou ondulado.

Fonte da imagem: http://www.caesmania.com

O Golden retriever é conhecido por sua natureza dedicada e obediente como um companheiro da família. Ele é amigo de todos.  Os retriever são bem esportivos e anseiam por um dia de corrida no campo. Quando ignoramos a sua natureza ativa e o físico poderoso, podemos ter problemas de comportamento, e portanto, precisamos realizar exercícios físicos e mentais diários.

Suas atitudes tendem a ser excessivamente exuberantes e turbulentas, e seu entusiasmo por tudo muitas vezes o distrai durante o treinamento. No entanto, ele sempre está ansioso para agradar e gosta de aprender. As realizações de um Golden em obediência competitiva são notáveis. Ele gosta especialmente de jogos que envolvem recuperar objetos e gosta de carregar itens em sua boca.

 

A raça e suas propriedades:

FAMÍLIA – Gundog, retriever

ÁREA DE ORIGEM – Inglaterra

DATA DE ORIGEM – 1800

FUNÇÃO ORIGINAL – recuperar caça

FUNÇÃO DE HOJE – recuperação, assitência, obediência, ensaios de campo de busca

TAMANHO MÉDIO DE MACHO – Altura: 50 a 60cm Peso: 30 a 50kg

TAMANHO MÉDIO DE FÊMEAS – Altura: 45 a 50cm Peso: 25 a 45kg

NÍVEL DE ENERGIA – Alto

EXERCÍCIO – Alta necessidade

BRINCADEIRAS – Muito brincalhão

AFETO – Muito carinhoso

COM OUTROS CÃES – Amigo

COM OUTROS ANIMAIS – Desconfiado

FACILIDADE DE TREINO -  Média-alta

 

Fonte do texto: http://animal.discovery.com/breed-selector/dog-breeds/sporting/golden-retriever

Tradução: Carolinne Torres

 


Como escolher o seu futuro melhor amigo? Raças: Border Collie

27 fevereiro 2013 às 21:07

Fonte da Imagem: Arquivo pessoal

Este é um cão médio e de ossatura forte, ligeiramente mais longo do que alto, combinando graça, agilidade e resistência. Seu trote é suave, bom corredor e incansável, movendo-se com discrição e força. O Border collie é capaz de mudar de velocidade e direção rapidamente e são capazes de exibir agilidade incrível, mesmo depois de trabalhar por longos períodos. A pelagem pode ser lisa ou áspera, a lisa é curta em todo o corpo, e os de pelos ásperos possuem fios de médio a longo comprimento e a textura ligeiramente ondulada. Sua expressão é inteligente, alerta, ansiosa e cheia de interesse, um reflexo de seu temperamento.

O Border collie é um cão de ampla energia, mental e física, aguardando sua chance de ser desencadeada sobre o mundo. Está entre os mais inteligentes e obedientes cães, não deixa de ser um cão caseiro, mas passa a ser desastroso se não for dado a ele um trabalho desafiador a cada dia.

Quando faz exercício suficiente, é um companheiro confiável e leal. Tem uma intenção em tudo o que faz e tende a olhar nos olhos, o que pode ser irritante para outros animais. Ele também gosta de perseguir outros animais. É reservado, e possui instinto de proteção em relação a estranhos.

 

A raça e suas propriedades:

FAMÍLIA – livestock, pastoreio

ÁREA DE ORIGEM – Grã-Bretanha

DATA DE ORIGEM – 1800

FUNÇÃO ORIGINAL – pastoreio de ovelhas

FUNÇÃO DE HOJE – pastoreio, ensaios de pastoreios, obediência, agility

TAMANHO MÉDIO DE MACHO – Altura: 30 a 50cm Peso: 10 a 25kg

TAMANHO MÉDIO DE FÊMEAS – Altura: 30 a 50cm Peso: 10 a 25kg

NÍVEL DE ENERGIA – Alto

EXERCÍCIO – Alta necessidade

BRINCADEIRAS – Muito brincalhão

AFETO – Moderadamente carinhoso

COM OUTROS CÃES – Amigo

COM OUTROS ANIMAIS – Tímido

FACILIDADE DE TREINO -  Alta

TOLERÂNCIA A TEMPERATURAS EXTREMAS – Média

Poucas raças são tão orientadas para o trabalho como o Border collie. Este é um cão que precisa de um emprego. Ele precisa de muita atividade física e mental a cada dia para satisfazer sua busca por trabalho. Ele pode viver ao ar livre, mas gosta de estar com sua família dentro de casa também. Este é um cão que não pode viver em um apartamento e que deve ter preferencialmente o pronto acesso a um quintal. Sua pelagem precisa escovar ou pentear duas vezes por semana.

Questões a serem consideradas:

  • Preocupações principais: Displasia Coxofemoral
  • Preocupações menores: atrofia progressiva de retina, luxação do cristalino, anormalidade congenita ocular do collie, patência do ducto arterioso e persistência de membrana pupilar
  • Problema ocasionalmente visto: atrofia cerebelar, lipofuscinose ceróide, surdez
  • Tempo médio de vida: 10 a 14 anos
  • Observação: Sugere-se os testes para displasia coxofemoral e atrofia de retina

O Border collie é o resultado de mais de um século de cruzamentos para a função de pastoreio. Em 1800 uma variedade de cães de pastoreio de ovelhas com diferentes estilos de pastoreio existentes na Grã-Bretanha, começou a ser cruzada entre si. Alguns foram “buscar” os cães que possuiam uma tendência inata para a busca circular de rebanhos e a capacidade de trazê-los de volta para o pastor.

A maioria destes eram cães barulhentos, com tendência para beliscar e morder enquanto realizavam o seu trabalho. Mas a superioridade de certos cães eram apenas natural, e em 1873 a escolha do cão pastor real foi realizada a fim de definir algumas das atribuições que esses deveriam possuir. Este concurso, indiretamente, levava para os Border collies a sua primeira linhagem, por meio de um cão chamado Hemp, que assim distinguiu-se em ensaios de pastoreio e gerou um grande número de descendentes. Ele não arrebanhava pelo ladrar e morder, mas com calma e olhando para as ovelhas (“dar o olho”), intimidá-las em movimento. Esse é considerado o pai do Border collie.

Em 1906 a primeira norma da raça foi elaborada, mas ao contrário dos padrões físicos da maioria das raças, esta era uma descrição da capacidade de trabalho, sem ter em conta a aparência física. Esta característica moldou a raça desde então. Na verdade, os cães foram ainda referidos simplesmente como cães pastores, e somente em 1915 foi gravado pela primeira vez o nome Border collie, em referência à origem do cão em torno das fronteiras inglesas e escocesas.

O Border collie veio para a América imediatamente deslumbrando pastores sérios com seus pastoreio e capacidade de obediência. Na verdade, este último abriu uma nova porta para a raça como uma das mais competitivas raças em provas de obediência. Os Borders collies têm trabalhado duro para ganhar a reputação de uma das mais inteligentes raças de cães do mundo. Como uma da raça intocada pela ênfase cosmética os criadores de Collie lutaram ativamente para ganherem o reconhecimento do AKC como um cão show. Em 1995, no entanto, a AKC reconheceu a raça.

 

Fonte do texto: http://animal.discovery.com/breed-selector/dog-breeds/herding/border-collie.html

Tradução: Carolinne Torres

 


Como escolher o seu futuro melhor amigo? Raças: Dachshund

20 fevereiro 2013 às 16:56

Fonte da Imagem: arquivo pessoal

O dachshund possui um longo corpo e uma estatura baixa que lhe permite entrar e circular livremente dentro dos limites de um pequeno espaço ou túnel, sem se machucar, possui também uma mandíbula e a força necessária para superar sua pequena estatura e agarrar sua presa. E sua confiança, o instinto de caça, nariz afilado e voz também são de ajuda significativa no subterrâneo de caça. A agilidade, liberdade de movimento e resistência são necessários para o trabalho do dachshund, e sua marcha é fluida e suave. O dachshund tem uma expressão energética agradável. Cada uma das três variedades de pelagem tem atributos especiais: O pelo curto e brilhante, dá uma certa proteção contra os elementos da natureza, o longhair ou pelo longo é elegante, às vezes um pouco ondulado, fornecendo um pouco mais de proteção, e o pelo duro, tem a pelagem cheia, grossa e dura com uma fina camada de subpêlo, fornecendo proteção máxima.

O dachshund é ousado, curioso e está sempre pronto para aventuras. Ele gosta de caçar e cavar, seguindo seu extinto pelo olfato. Ele é independente, mas vai participar das atividades de sua família sempre que dada uma chance. É bom com as crianças em sua própria família, mas alguns podem estranhar crianças alheias. Na sua grande maioria são reservados com estranhos.

A variedade de pelo longo pode ser mais tranqüila e menos agressiva, enquanto os pelos curtos podem ser mais extrovertidos e alguns minis são mais propensos à timidez.

 

A raça e suas propriedades:

FAMÍLIA – scenthound, terrier, dachshund

ÁREA DE ORIGEM – Alemanha

DATA DE ORIGEM – 1500 d.c.

FUNÇÃO ORIGINAL – caçar texugos

FUNÇÃO DE HOJE – ensaios de campo, caça espostiva

TAMANHO MÉDIO DE MACHO – Altura: 10 a 30cm Peso: 2 a 10kg

TAMANHO MÉDIO DE FÊMEAS – Altura: 10 a 30cm Peso: 2 a 10kg

OUTRO NOME – teckel (miniatura: zwergteckel)

 

Embora os dachsunds sejam ativos, suas necessidades de exercício podem ser atendidas com caminhadas moderadas na coleira e jogos no quintal. O dachsund é favorável à vida na cidade e convive bem num apartamento, mas ainda é um caçador de coração e gosta de incursões para as florestas.

Embora possa viver ao ar livre em dias quentes, o melhor é dormir dentro de casa. O revestimento liso do pelo requer preparação mínima para temperaturas mais amenas.  A pelagem longa requer também escovação uma ou duas vezes por semana e ocasional corte dos pelos dispersos. O pelo duro por sua vez requer escovação uma vez por semana, com ocasionais tosas e stripping para remover os pelos mortos duas vezes por ano.

 

Questões a serem consideradas:

Preocupações principais: doença do disco intervertebral

• Preocupações menores: ceratoconjuntivite seca

• Problema ocasionalmente visto: epilepsia, diabetes, luxação da patela, surdez, torção gástrica

• Tempo médio de vida: 12 – 14 anos

• Observação: A obesidade é um grande problema para o dachshund. Dachshunds tendem a ter excesso de peso, o que, por sua vez, predispõe o aparecimento precoce da doença de disco intervertebral.

 

Um pouco de história…

O dachshund como uma raça não foi encontrado até o século 16, quando foi feita referência a um cão “baixo e torto de patas” chamado de ”cão de toca, cão dacksel ou texugo”. O nome moderno dachshund significa simplesmente cão-texugo, sendo dachs hund em alemão. Estes caçadores tenazes seguem sua presa, entram em sua toca, e a retiram para depois matá-la.

O dachshund vem em três variedades de pelagem e dois tamanhos. Os dachshunds originais eram de pelos lisos e surgiram a partir de cruzamentos do bracke, um ponteiro miniatura de origem francesa, com o pinscher. Algumas xilogravuras do século 16 fornecem evidências de mais dachshunds de pelos longos como cães. É também possível que os dachshunds lisos se origirassem dos cruzamentos com spaniels e o stoberhund alemão (um cão de arma), para produzir uma variedade de pelos compridos. Menção é feita a eles já em 1797, mas estes cães não foram cuidadosamente criados e alguns mais modernos foram criados em torno do final do século 19 pelo cruzamento de dachshunds com o pinscher alemão e o dandie dinmont terrier.

Cada uma dessas variedades foi adequada ao máximo para a caça em terrenos e condições climáticas ligeiramente diferentes, mas todas são fortes e capazes de caçar texugos, raposas e outros mamíferos de pequeno porte.

Antes de 1900, dachshunds muito pequenos foram criados para ir à caça de pequenos mamíferos por terrenos acidentados, como os coelhos. Embora alguns fossem simplesmente naturais, outros foram intencionalmente produzidos a partir de cruzamentos com terriers pequenos ou pinschers. A maioria das miniaturas resultantes não saiu como o dachshund, no entanto. Em 1910, critérios mais rigorosos foram adotados para tipos e pelagens, com cruzamentos com raças diferentes para atingir os melhores resultados.

O dachshund, desde então, encontrou o seu nicho real como um animal de estimação da família, constantemente crescendo em popularidade para manter seu lugar como um dos cães mais populares na América.

 

Fonte do texto:http://animal.discovery.com/breed-selector/dog-breeds/hound/dachshund-miniature.html

Tradução: Carolinne Torres

 

Uma ótima semana!


Você deveria beijar seu cão?

13 fevereiro 2013 às 21:20
Por Nicole Pajer
Tradução Carolinne Torres

Fonte da imagem:http://blogs.westword.com/latestword/2009/10/wondering_how_to_give_your_shi.php

“(…) Em 2011 um grupo de pesquisadores Japoneses coletaram amostras de placas dentárias de 66 cães e 81 humanos que visitaram a escola de treinamento canino e clínica animal de Okayama no Japão. As placas foram analisadas em microscópio e vestígios de bactérias foram procurados. Como os pesquisadores previram – e publicaram no jornal Arquives of Oral Biologytanto homens quanto cães apresentam bactérias em suas bocas, podendo potencialmente transferi-las de um para o outro através de um beijo. (…)”

Quer ver o artigo na íntegra?! Entre o link abaixo e descubra mais sobre o mundo canino.
www.cesarsway.com

Ótima semana a todos!


O que a acupuntura pode fazer?

6 fevereiro 2013 às 14:28

 

Fonte da imagem: http://www.acupuncture.com

A resposta é simples, mas grandiosa: Muito!

O conhecimento ocidental atual de profissionais da área da saúde ou mesmo de leigos sobre as muitas utilidades da medicina tradicional chinesa está muito maior. Com isso a casuística de atendimentos em outros âmbitos que não apenas o ósteo-muscular vem aumentando a cada dia.

A Flor de Lótus tem recebido cada vez mais pacientes para tratamentos holísticos (sem a denotação mística do termo) que esbarram no limite da medicina ocidental que conhecemos como nossa.

Pacientes cuja medula insiste em não trabalhar corretamente após ter sido muito requerida numa doença corriqueira como a ehrlichiose ou a babesiose (“doenças do carrapato”), chegam aos nossos consultórios procurando ajuda.  Outros cujo próprio sistema imune começa a trabalhar contra o corpo (doenças auto-imunes) também têm encontrado nos profissionais acupunturista aliados.

Tratamentos para endometriose, infertilidade, doença de crohn, alterções psíquicas, síndromes de Parkinson e Alzheimer, alterações oftalmológicas, dores crônicas ou agudas, pós-cirúrgicos, entre outros, estão entre os temas de estudo científico do leque de sucesso da acupuntura.

Por exemplo, pacientes com insuficiência renal crônica e seus donos têm encontrado aqui em nossas instalações um prolongamento das suas vidas com qualidade, e isso para nossa equipe é o mais importante!

Não podemos, no entanto, elevar essa forma de terapia e tratamento ao patamar de milagroso. O que pretendemos é incentivar os demais profissionais, tanto da medicina veterinária, quanto de outras profissões a apresentar aos seus pacientes novas perspectivas, pois invariavelmente as pessoas com acesso aos sites de busca e às ferramentas da internet têm encontrado as respostas por conta própria quando se trata de salvar ou dar qualidade de vida aos seres que tanto amam, sejam eles animais humanos ou não.

O ideal não é que nos apeguemos a apenas uma forma de medicina, mas que consigamos integrar todas as formas possíveis de tratamentos para ajudar o nosso paciente. Por isso somos tão enfáticos no acompanhamento de nossos queridos animais pelos mais variados grupos de especialistas. Agregando e somando!

Caso tenham interesse em saber um pouco mais desse mundo científico seguem alguns trabalhos interessantes em diversas áreas.

 

Um ótima semana a todos!

 

Referências:

  • Acupuncture Enhances the Synaptic Dopamine Availability to Improve Motor Function in a Mouse Model of Parkinson’s Disease.  Seung-Nam Kim et al., Studies of Translational Acupuncture Research, Acupuncture and Meridian Science Research Center, Kyung Hee University, Seoul, Republic of Korea. November 2011, Volume 6, Issue 11, e27566.
  • Eletroanalgesia para o controle da dor pós-operatória em cães. Cassu, R.N. et al., Acta Cirúrgica Brasileira, Vol. 27 (1) 2012.
  • Electroacupuncture alleviates affective pain in an inflammatory pain rat model, Yu Zhanga,b,, Eur J Pain . 2012 February ; 16(2): 170–181.
  • Moxibustion down-regulates colonic epithelial cell apoptosis and repairs tight junctions in rats with Crohn’s disease, Chun-Hui Bao et al., World J Gastroenterol 2011 December 7; 17(45): 4960-4970.
  • The physiological basis of complementary and alternative medicines for polycystic ovary syndrome. Raja – Khan N. et al., Am J Physiol Endocrinol Metab. 2011 Jul;301(1):E1-E10. Epub 2011 Apr 12.
  • Acupuncture stimulation of ST36 (Zusanli) attenuates acute renal but not hepatic injury in lipopolysaccharide-stimulated rats. Huang C.L. et al., Acupuncture and Moxibustion Institute, Nanjing University of Traditional Chinese Medicine, Nanjing, China. Anesth Analg. 2007 Mar;104(3):646-54.

 

 

 

 

 

 

 


A mordida que cura

31 janeiro 2013 às 1:34

Fonte da imagem: http://highpowerrocketry.blogspot.com.br/

Tradução: Carolinne Torres Silva Dias
Texto de  Jennifer S. Holland
Fonte: http://ngm.nationalgeographic.com/2013/02/venom/holland-text

 

Os cientistas estão desvendando o potencial médico do veneno.

Michael decidiu ir para um mergulho. Ele estava de férias com sua família em Guerrero, no México, e foi mais quente do que as chamas. Ao pegar o calção de banho, que tinha deixado para secar sobre uma cadeira, vestiu e saltou para a piscina. Em vez de um alívio refrescante, uma dor ardente rasgou a parte de trás de sua coxa. Arrancando o seu calção, pulou para fora da piscina com a sua perna em chamas.

Atrás dele, uma pequena criatura, feia e amarela estava deslizando na água. Ele capturou-a em um recipiente e o zelador da casa levou-o às pressas para a instalação da Cruz Vermelha local, onde os médicos imediatamente identificaram seu agressor: uma  Centruroides sculpturatus, uma das espécies mais venenosas na América do Norte. A dor feroz de uma picada é geralmente seguido por aquilo que se sente quando choques elétricos percorrem o corpo. Ocasionalmente  as vítimas morrem.

Felizmente para Michael o antídoto estava prontamente disponível. Ele tomou uma injeção e foi liberado poucas horas depois. Em cerca de 30 horas, a dor se foi.

O que aconteceu depois não poderia ser previsto. Por oito anos, Michael tinha sofrido uma doença chamada espondilose anquilosante, uma doença auto imune de caráter crônica do esqueleto, uma espécie de artrite na coluna. No pior dos casos a coluna podem fundir, deixando o paciente sempre curvado e na angústia. “Minhas costas doíam a cada manhã, e durante um tempo era tão horrível que eu não conseguia nem andar”, disse ele.

Mas dias após a picada de cobra, a dor foi embora, e agora, dois anos depois, ele continua livre da dor e sem a maioria de seus medicamentos. Como médico ele mesmo, Michael é cauteloso sobre a exagerar o papel do veneno em sua remissão. Ainda assim, diz ele, “se a minha dor voltasse, eu me deixaria picar de novo.”

O material que escorre dos dentes e ferrões de criaturas como essas é o assassino da natureza mais eficiente. Ele é primorosamente feito para parar um corpo em movimento e consiste em complexos redemoinhos de proteínas tóxicas e peptídeos curtos de aminoácidos. As suas moléculas podem ter objetivos e efeitos diferentes, mas eles trabalham sinergicamente para o mais poderoso golpe. Alguns vão para o sistema nervoso, paralisando por meio do bloqueio de mensagens entre os nervos e os músculos. Alguns atuam fora de modo que as células e os tecidos entrem em colapso. O veneno pode matar por coagulação do sangue e parar o coração, ou impedindo a coagulação e provocando um sangramento maciço.

Dezenas, até centenas, de toxinas podem ser entregues em uma única mordida. Na corrida armamentista evolucionária entre predador e presa, as armas e as defesas são constantemente alteradas.

Ironicamente, as propriedades que fazem do veneno mortal também são o que tornam tão valioso para a medicina. Muitas toxinas do veneno alvejam as mesmas moléculas que têm de ser controladas para o tratamento das doenças. O veneno trabalha rápido e é altamente específico. Seus componentes ativos (aqueles peptídeos e proteínas), funcionando como toxinas de enzimas alvo, moléculas específicas, encaixando-se neles como chaves em fechaduras.

A maioria dos medicamentos funciona da mesma maneira, encaixando-se e controlando fechaduras moleculares para impedir efeitos nocivos. É um desafio encontrar uma toxina que atinja apenas um alvo. Até medicamentos superiores para doenças cardíacas e diabetes foram derivados de veneno e novos tratamentos para doenças auto-imunes, câncer e dor podem estar disponíveis dentro de uma década.

“Nós não estamos falando de apenas alguns poucos novos medicamentos, mas classes inteiras de drogas”, diz Zoltan Takacs, um toxinologista e herpetólogo da National Geographic Society.

Mais de 100.000 animais evoluíram para produzir veneno, junto com as glândulas para abrigá-lo e os aparatos para expulsá-lo: cobras, escorpiões, aranhas, alguns lagartos, abelhas, criaturas do mar, como polvos, inúmeras espécies de peixes e caracóis. O macho ornitorrinco, que carrega veneno dentro esporas do tornozelo, é um dos poucos mamíferos venenosos. O veneno e seus componentes surgiram de forma independente, de novo e de novo, em diferentes grupos de animais. A composição do veneno de uma espécie única serpente varia de lugar para lugar e entre adultos e seus filhotes, e o veneno de uma mesma cobra pode até mudar com a sua dieta.

Não é todo o veneno que mata, por exemplo, as abelhas o têm como uma defesa não-letal, e o ornitorrinco macho usa isso para mostrar machos rivais quem é o chefe durante a temporada de acasalamento. Mas a maioria é para matar, ou pelo menos imobilizar a próxima refeição de um animal. Os seres humanos são, frequentemente, vítimas acidentais. A Organização Mundial de Saúde estima que a cada ano cerca de cinco milhões de picadas matam 100.000 pessoas, embora o número real se presuma ser muito maior. Em áreas rurais de países em desenvolvimento, por exemplo, onde a maioria das picadas ocorrem, as vítimas podem não ser capazes de obter tratamento ou optarem por terapias não tradicionais e por isso não são contados.

As curas baseadas nos venenos não são uma idéia nova. Elas mostram-se, por exemplo, em textos em sânscrito do segundo século dC, e cerca de 67 aC, Mithradates VI, um inimigo de Roma, que se envolveu em toxicologia,  foi supostamente salvo duas vezes no campo de batalha por xamãs que administraram veneno de víbora em seus ferimentos.

O veneno de cobra aplicado há séculos na medicina tradicional chinesa e indiana, foi introduzido no Ocidente na década de 1830 como um remédio homeopático para a dor. O médico John Henry Clarke, publicou uma matéria em 1900, descrevendo que o veneno pode aliviar muitos males, mesmo aqueles causadas por outros venenos. “Devemos sempre procurar usar o mesmo medicamento para curar, como são produzidos os sintomas“, o autor escreveu. As aplicações clínicas do veneno de cobra diluído incluem: angina pectoris, asma, febre do feno, dor de cabeça, problemas cardíacos, estenose de esôfago, cólica espasmódica de ovários, dor de garganta, etc. “Mas cuidado”, observou: A dose curativa é apenas um limite da dose patogênica. ”

O veneno da jararaca brasileira levou ao desenvolvimento na década de 1970 de uma classe de medicamentos chamados inibidores da ECA, hoje amplamente usados contra a hipertensão. Os pesquisadores começaram perguntando por que os trabalhadores brasileiros plantações de bananas, picados por essas cobras, tinham a pressão arterial sempre adequada.

Os pesquisadores, então, confrontaram o componente de redução de pressão presente no veneno. Mas você não pode simplesmente colocar veneno em uma pílula e entregá-lo a pacientes, para o componente útil do veneno fazer efeito esse tem que ser modificado em nível molecular, redimensionado e adequado para reduzir os efeitos agressivos do sistema digestivo humano. Depois de todo esse trabalho, finalmente uma versão sintética feita para testes em humanos, foi aprovada, e em 1975 o primeiro medicamento oral para a hipertensão arterial, o captopril, foi aprovado para uso. E atualmente a classe dos inibidores da ECA, que teve como pioneiro o captopril, agora tratam de dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo, com bilhões de dólares de vendas.

Em todo o mundo a conservação da biodiversidade deve ser feita“, Takacs diz, “para  que seja feita também a conservação da biodiversidade molecular“. Isso colocaria as moléculas mais mortais da natureza no topo da lista quando as decisões de conservação forem tomadas, podendo salvar inúmeras vidas.

Obs.: A Sociedade de Pesquisa Grant Zoltan Takacs de toxinologia foi financiada em parte pelo seus próprios membros.

 

A todos uma ótima semana!

 

 


Vídeo do Bob, paciente da Flor de Lótus

27 janeiro 2013 às 15:30

 

Bob, paciente da Flor de Lótus